Estude a Diferença Entre Pilhas e Baterias

Em nossa postagem de hoje, vamos explicar a diferença entre dois componentes muito utilizados, tanto na química como em nosso dia a dia, que são: as pilhas e as baterias. Vamos explicar a diferença entre esses componentes, além de apresentar alguns exemplos que utilizamos em nosso cotidiano.

Como já estudamos anteriormente, as pilhas, assim como as baterias, são componentes que realizam a transformação da energia gerada por uma reação espontânea ou de oxirredução, em corrente elétrica. As reações de oxirredução, as quais já estudamos anteriormente (acesse aqui nosso artigo sobre essas reações) são responsáveis pelo funcionamento de grande parte destes componentes. Mas qual é exatamente a diferença entre eles? Isso veremos a seguir.

Pilhas

Já estudamos as pilhas anteriormente, e você pode relembrar os principais conceitos clicando neste link. A principal característica das pilhas que vamos ressaltar é que estes dispositivos são formados somente por dois eletrodos (que são os polos positivos e negativos das pilhas que conhecemos) e um eletrólito (também denominado ponte salina). O eletrólito é basicamente o meio físico (geralmente uma solução) que possibilita a condução de carga elétrica no interior da pilha, fluindo do ânodo (polo negativo) para o cátodo (polo positivo).

A voltagem destas pilhas irá depender da diferença de potencial (ddp) entre os dois eletrodos, ou seja, quanto maior for a tendência de o ânodo doar elétrons e maior a capacidade do cátodo de receber elétrons, maior será a voltagem da pilha utilizada.

Uma das pilhas mais comuns utilizadas nos dias atuais é a pilha ácida seca, também denominada pilha de Leclanché, inventada em 1860. Esta pilha é formada basicamente por um ânodo de zinco e um cátodo de grafita, e o eletrólito é formado principalmente por cloreto de amônio (NH4Cl), que quando hidrolisado torna o meio ácido. Veja a seguir uma representação de uma pilha ácida seca:

Baterias

Agora, vamos explicar sobre as baterias. Uma bateria é, basicamente, um conjunto de pilhas ligadas entre si, ligação esta que pode ser em série ou em paralelo. Desta forma, esta é a diferença principal entre a pilha e a bateria. Enquanto uma pilha é uma única célula eletroquímica, uma bateria é uma associação destas células eletroquímicas, o que pode resultar em uma diferença de potencial maior, ou uma mesma diferença de potencial, que pode ser mantida por mais tempo. E isso varia conforme a ligação realizada entre as células da bateria.

Para a situação onde as células sejam ligadas em série, devemos conectar a saída do polo positivo de uma pilha no polo negativo da outra, independente da quantidade. Desta forma, a associação em série resulta em uma diferença de potencial maior. Para uma situação onde temos quatro pilhas de 1,5V ligadas em série, a diferença de potencial resultante será de 6V.

Já no caso onde as células são ligas em paralelo, devemos ligar um polo positivo ao outro, e da mesma forma, um negativo ao outro. Desta forma, teremos um maior tempo de duração da bateria, que fornecerá a mesma ddp ao conjunto. Veja abaixo a esquematização das ligações em série e em paralelo, envolvendo 4 pilhas de 1,5V:

Assim, estudamos a diferença entre estes dois componentes presentes em nosso dia a dia. Agora sabemos que a bateria é basicamente uma associação de pilhas, independente do tipo de ligação que está sendo realizada!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *