Crise do Feudalismo e a Guerra dos Cem Anos

Depois de entender um pouco sobre o sistema feudal (veja o artigo), vamos ver a situação das chamadas Monarquias Medievais durante esse período.

Sacro Império Romano Germânico

O Império Franco foi dividido no Tradado de Verdum e a parte do Sacro Império Romano Germânico era governada por Luís, o Germânico. Contudo, quem criou efetivamente o Império foi Oto, o Grande, que foi coroado rei pela Igreja em 962. Esse período ficou conhecido como o Primeiro Reich (Primeiro Império), que só teve seu fim em 1806, devido a invasões de Napoleão Bonaparte.

Monarquia Francesa

Na Monarquia Francesa teve como seu imperador mais importante Filipe, o Belo, que conseguiu fortalecer o poder central sobre os senhores feudais. Durante seu governo, ocorreu o Cisma do Ocidente, ou seja, a divisão da Igreja em dois papados, com sedes em Roma e Avignon.

Monarquia Inglesa

O início dessa monarquia se deu na província da Bretanha, que foi dominada pelos povos anglos e saxões, responsáveis pela formação de sete reinos. Embora a região tenha recebido novas invasões, estes povos voltaram ao poder, até serem dominados pelos Normandos, quando Guilherme I subiu assumiu a liderança. Sucederam-no Henrique II, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra. Este último conduziu mal o governo, originando uma crise. Em virtude disso, foi composta a Carta Magna, que tirava o poder absoluto do imperador. Nesse período, foi criado um Parlamento, em 1275.

Naquele período o feudalismo começava a enfraquecer devido à ascensão do comércio. Em outras palavras, ocorria um Renascimento Comercial. Em razão disso, começaram a surgir as feiras, que impulsionavam-no ainda mais e concebiam uma nova classe social, a burguesia, que tinha o apoio do rei, já que este obtinha lucro a partir dos impostos. Portanto, reis e mercadores se uniram para extinguir o feudalismo.

Entretanto, esse crescimento comercial também teve consequências negativas. Uma delas foi a Grande Fome, a qual ocorreu devido ao crescimento populacional que não era acompanhado pelo crescimento da produção. Além disso, no século XIV, também ocorreu a Peste Negra, doença transmitida pelos ratos que atravessavam o Mar Negro nos Navios dos comerciantes e que vitimou milhões de pessoas.

Entre 1337 e 1453 aconteceu a conhecida Guerra dos Cem Anos entre as monarquias inglesa e francesa. Eduardo III, rei da Inglaterra, queria governar também a França, pois dizia ter parentesco com Carlos IV, que havia morrido. Porém, o trono foi dado a Felipe VI. Além disso, havia uma disputa econômica, pois a região de Flandres, na França, precisava da lã inglesa.

Inicialmente, a Inglaterra levou vantagem na batalha. Foi nessa guerra também que figurou a camponesa Joana d’Arc, que mobilizou e liderou tropas, sendo morta na fogueira, acusada de bruxaria.

Depois de períodos de dominação inglesa e dos mais de cem anos de batalhas, a França saiu vitoriosa. As monarquias nacionais começavam a se estruturar e o feudalismo acabava de cair.

Compartilhar

Comentários

Compreendendo a Formação das Monarquias Nacionais - InfoEnem

[…] com a unificação dos francos durante o governo de Clóvis e se consolidou efetivamente durante a Guerra dos Cem Anos, quando foi necessário constituir uma união para derrotar os ingleses e ainda mais quando o país […]

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *