Gramática – Plural de Cores

Por ocasião do Réveillon muitas pessoas se preocuparam com a cor das roupas que usariam na virada do ano. Segundo uma simpatia popular, algumas cores atraem diferentes coisas para nossa vida no ano vindouro e as mais usadas costumam ser branco, para atrair paz; amarelo, para dinheiro; cor de rosa, para amor; vermelho, para paixão e assim por diante.

As cores não são elemento importante apenas nas simpatias. O mundo à nossa volta é multicor e para descrevê-lo muitas vezes lançamos mão de palavras que indicam cores, para criar com precisão uma paisagem, um objeto ou mesmo o retrato de uma pessoa na imaginação do ouvinte ou do leitor. Observemos o uso que Caetano Veloso faz das cores nesta belíssima canção:

Trem Das Cores

A franja na encosta cor de laranja, capim rosa chá
O mel desses olhos luz, mel de cor ímpar
O ouro ainda não bem verde da serra, a prata do trem
A lua e a estrela, anel de turquesa

Os átomos todos dançam, madruga, reluz neblina
Crianças cor de romã entram no vagão
O oliva da nuvem chumbo ficando pra trás da manhã
E a seda azul do papel que envolve a maçã

As casas tão verde e rosa que vão passando ao nos ver passar
Os dois lados da janela
E aquela num tom de azul quase inexistente, azul que não há
Azul que é pura memória de algum lugar

Teu cabelo preto, explícito objeto, castanhos lábios
Ou pra ser exato, lábios cor de açaí
E aqui, trem das cores, sábios projetos: Tocar na central
E o céu de um azul celeste celestial

In: https://letras.mus.br/caetano-veloso/43883/ Acesso em 03-01-2016

Linda a paisagem que se vê da janela do trem, não é mesmo? Mas, voltando às palavras que denominam cores, o que fazer quando precisamos pluralizá-las?

Na música, Caetano usa inúmeras cores, com diferentes ‘estruturas’. Há palavras que são empregadas, na maioria das vezes1, como adjetivos, foram criadas para fazer referência a cores, como branco, preto, azul, vermelho, verde, amarelo… Não são nomes de seres, apenas os caracterizam quanto à pigmentação que estes apresentam, adjetivando-os. Por isso, comportam-se como qualquer outro adjetivo, ou seja, são flexionados em gênero e número:

  • Seda azul – sedas azuis
  • Cabelo preto – sobrancelha preta

Podem também aparecer na forma de adjetivo composto e continuamos seguindo a regra – varia apenas o último elemento:

  • Camisa verde-clara – Camisas verde-claras
  • O tênis azul-escuroos tênis azul-escuros

Além desses tipos de adjetivos, o compositor empregou também alguns empréstimos. Usando a expressão ‘cor de’, ele conseguiu ampliar, por assim dizer, a gama de tonalidades. Foi o que aconteceu em ‘encosta cor de laranja’, ‘crianças cor de romã’ e ‘lábios cor de açaí’. Nessas expressões, laranja, romã e açaí são substantivos e quando compõem a expressão ‘cor de …’ ficarão invariáveis. Como se viu na música, não foram para o plural como ‘crianças’ e ‘lábios’.

Algumas vezes deixamos a expressão ‘cor de’ oculta e expressamos apenas o substantivo que empresta o nome à tonalidade. Quando ocorre essa supressão, a cor permanece invariável. Foi o que fez o autor em ‘nuvem (cor de) chumbo’, expressão que, passada para o plural, ficaria ‘nuvens (cor de) chumbo’. Perceberam? ‘Chumbo’ continuou no singular.

Há ainda outra possibilidade de construção de nomes de cores:

  1. adjetivo+substantivo
  2. substantivo+adjetivo

Nesses dois casos, por haver substantivo na composição dos termos, estes permanecerão invariáveis. Vejam os exemplos de:

  1. Azul-piscina; amarelo-ouro; verde-limão
  2. Rosa claro; cinza escuro; laranja brilhante

Só mais um detalhe presente na música: Caetano, algumas vezes, substantivou as cores colocando um artigo diante delas, como em ‘um azul celeste’. Dessa forma a palavra passa a ser flexionada de acordo com as regras dos substantivos.

Até a próxima e que a cor usada no seu réveillon atraia boas energias!

 


1 Em alguns casos, esses adjetivos podem ser transformados em substantivos, por meio da derivação imprópria, processo aparece também na música e será tratado adiante.

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu seu mestrado. Mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso sistema de correção de redação e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoEnem, a professora é colunista de gramática do nosso portal. Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *