Sobre vinhos e uvas e seus radicais latinos na formação de palavras

Em São Roque (SP), ocorre nesta época do ano, em algumas adegas, a chamada Vindima (ou Pisa da uva). A vindima é a colheita das uvas para posterior produção de vinho. A uva e seu produto mais nobre, o vinho, tem importância ímpar na história da humanidade, na cultura e na alimentação, ao lado do pão. Não é à toa que são os dois símbolos dos mais marcantes no Cristianismo e retomados com frequência, de modo intertextual, em muitas músicas, como fez Chico Buarque em Cálice: “Pai, afasta de mim esse cálice De vinho tinto de sangue”.

Esses dois alimentos são também icônicos em muitas culturas, como a portuguesa:

Numa casa portuguesa, fica bem
Pão e vinho sobre a mesa
E se à porta humildemente
Bate alguém
Senta-se à mesa com a gente (…)
(https://www.vagalume.com.br/amalia-rodrigues/uma-casa-portuguesa.html )

Vamos brindar
com vinho verde que é do meu Portugal
e o vinho verde me fará recordar
A aldeia branca que deixei
atrás do mar (…)
(https://www.vagalume.com.br/marco-paulo/vinho-verde.html ) gravada também pelo sertanejo Daniel.

Ou a italiana – os mais velhos talvez se lembrem de um filme muito famoso que apresenta esses elementos logo no título: “Marcelino, pão e vinho”

Mas a questão linguística relacionada ao título provém de uma pergunta que me foi feita no evento da vindima: “Qual é a forma correta, vinicultura ou viticultura?” As duas estão certas, na verdade, mas cada uma se refere a uma produção específica.

O nome científico da videira, planta que produz as uvas, é Vitis sp, e a espécie mais difundida é a Vitis vinifera. O latim é, por tradição, a língua das ciências, então vamos traduzir esse nome científico: vitis significa videira (a planta) e vinífera significa ‘que produz vinho’ (fero = que produz + vinum = vinho).

Acredita-se que as uvas são originárias da Ásia e foram introduzidas na Península Itálica pelos gregos. Foram os romanos, porém, que transformaram a produção de vinhos em um comércio lucrativo, difundindo essa cultura por todo o Império. Daí termos o hábito de consumo da bebida e bons produtores de vinho em todas as regiões da Europa que fizeram parte do Império Romano.

Voltando ao questionamento, temos então duas palavras corretas, como eu mencionei, mas a viticultura diz respeito à produção das uvas e a vinicultura refere-se à produção do vinho.

E, no caso daquelas propriedades em que se planta e colhe a uva e posteriormente se faz o vinho numa sequência, temos a vitivinicultura.

E por que falar tanto desse tipo de formação de palavras e seus significados? Ora, porque, entre outras coisas, esse conhecimento é cobrado nos concursos.

Na prova da 2ª fase da Unicamp deste ano, havia uma questão que exigia dos candidatos o conhecimento da estrutura e formação de palavras, além do conhecimento do significado e função dos afixos (prefixos e sufixos) e radicais e da interpretação que estes têm na criação do sentido do texto. Bom motivo? Além é claro do fato de que, ampliando o vocabulário, sempre teremos maior facilidade na leitura e interpretação de textos em geral.

É isso!

Até a próxima semana!

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Com mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso Curso de Redação Online (CLIQUE AQUI para saber mais) e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoEnem, a professora é colunista de gramática do nosso portal. Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *