Redação no Enem: Saiba Quais as Mudanças para 2017

No último dia 09 de março, o Ministério da Educação (MEC) anunciou que a edição do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2017 apresentará algumas mudanças em relação às edições anteriores; tais alterações são oriundas dos resultados da Consulta Pública realizada entre os meses de janeiro e fevereiro deste ano.

A quantidade de questões não mudou; os candidatos ainda terão de responder a 180 questões de múltipla escolha e escrever uma dissertação-argumentativa como proposta de redação, mas não mais em um final de semana (sábado e domingo) e sim em dois domingos. Além disso, a prova de produção textual passará do segundo dia de exame para o primeiro, assim como as questões do eixo Linguagens e suas Tecnologias.

Portanto, o Governo Federal voltou atrás no que concerne as afirmações pronunciadas anteriormente de que a prova de redação poderia ser excluída do Enem, o que seria muito prejudicial ao exame. Tal produção de texto é de fundamental importância para se avaliar o desempenho em leitura e em escrita dos candidatos que almejam uma vaga em uma universidade federal (Sisu), particular (Prouni) ou um financiamento estudantil (Fies).

Nesse sentido, a transferência da prova de redação do segundo dia de exame para o primeiro é pertinente, já que se cria uma imensa expectativa ao redor dela; todos querem logo descobrir qual tema foi escolhido e tirar de uma vez esse peso das costas, pois parece que a dissertação-argumentativa é a prova mais aguardada, mas também a mais temida. Assim, conhecendo a proposta de redação já no primeiro dia de exame os candidatos podem tentar ficar menos ansiosos e mais tranquilos para as provas das demais disciplinas.

Aliás, esta ordem também é seguida pelas provas de segunda fase de alguns dos maiores e mais concorridos vestibulares do país, como o da USP (Universidade de São Paulo), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e Unesp (Universidade Estadual Paulista): todas as suas segundas fases começam com as provas de Português, Literatura e Redação.

Deste modo, no primeiro dia de aplicação do Enem 2017, os candidatos terão 5h30min para responder às questões objetivas e escrever a dissertação-argumentativa pedida, tempo suficiente para tal missão. Pode parecer pouco, mas o candidato preparado é capaz de administrar o seu tempo de prova e lidar com a ansiedade, realizando o exame sem pressa, mas alerta.

Em janeiro do ano que vem, quando as notas dos candidatos ao Enem 2017 saírem, depois de também termos analisado a proposta de redação em sua totalidade, poderemos analisar se a mudança de dia da prova de produção de texto afetou, positivamente ou negativamente, as notas dos candidatos ou se não houve nenhum impacto.

Até a próxima semana!

 


*CAMILA DALLA POZZA PEREIRA é graduada em Letras/Português e mestra em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente trabalha na área da Educação exercendo funções relacionadas ao ensino de Língua Portuguesa, Literatura e Redação. Foi corretora de redação em importantes universidades públicas e do Curso Online do infoEnem. Além disso, também participou de avaliações e produções de vários materiais didáticos, inclusive prestando serviço ao Ministério da Educação (MEC).

**Camila é colunista semanal sobre redação do nosso portal. Seus textos são publicados todas as quintas!

Compartilhar

3 Comentários

aparecida

ola sou fatima moro em barra do garças, que pela primeira vez eu quero participar do enem, mas estou com medo porque ja faz muitos anos fora da escola , mas estou muito animada e procurando me informar sobre os conteúdo.

Responder

Tainara Macedo

Creio que não é preciso estudar em melhores escolas para se sair bem em uma redação, e sim estudar e treinar por conta própria, buscando ajuda de próximos como professores da escola e etc. Redação é a prova que eles tem que você escreve e desenvolve bem, pois as universidades não são como as escolas, que empurram o aluno de série em série…
Essas mudanças não me afetam em nada, e espero que seja assim com os outros, desde de que as dificuldades sejam inquestionáveis, claro. Do contrário, nem adianta argumentar.

Responder

ivonil Gouylart

Eu não concordo em ser excluído do exame se zerar a redação,este é o temor de quase todos, que não tiveram condições de estudar no ensino de elite dos grandes colégio do Brasil.

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *