Redação no Enem: Rascunho, o Planejamento do Texto

Olá, leitores do Portal infoEnem!

Enfim, agosto! O mês mais longo do ano, dizem alguns. As inscrições para os grandes vestibulares das universidades estaduais abrirão em breve, de algumas já estão abertas, e parece que, agora, o tempo vai voar!

É tempo de apertar os cintos e pisar um pouco fundo no acelerador, pois as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão mais próximas a cada dia. É hora de participar mais de atividades de estudo e pesquisa, de revisar alguns conteúdos, participar de grupos de estudo com colegas da escola, para colocar as lições, atividades, exercícios e redações em dia e, falando em redação, não deixem de escrever a redação semanal, pesquisando propostas em provas passadas, em livros didáticos e apostilas do Ensino Médio dentre outras fontes.

Esta pode e deve ser a oportunidade de fazer mais simulados, em casa mesmo, controlando o tempo, resolvendo as questões e escrevendo a redação em um ambiente calmo, tranquilo, bem iluminado e é nestas simulações, falando mais especificamente em relação a redação, que vocês podem verificar, por meio de testes, como vocês se saem ao realizar uma prova textual e qual é o método, o modo que mais adéqua-se a vocês.

Sempre que me perguntam, por exemplo, sobre se é melhor fazer a redação antes ou depois das questões de múltipla escolha digo que não há uma receita pronta e sim que cada um possui o seu jeito particular, mas, se há dúvidas, deve-se testar nas provas da escola e em casa e avaliar, juntamente com o seu professor, em que modo vocês se saem melhor, possuem um maior rendimento. E o mesmo vale para o rascunho, o nosso tema de hoje.

O Enem e os demais vestibulares e exames requerem, intrinsecamente, textos bem planejados e articulados e este planejamento faz parte do processo de escrita (aliás, escrita de qualquer texto, para qualquer finalidade, desde um comentário em um site até um artigo científico, por exemplo) e pode ser realizado por meio da produção de um rascunho, antes de escrever a dissertação-argumentativa (no caso do ENEM) na folha definitiva a caneta. Digamos “pode”, pois há quem não costume e/ou não goste de rascunhar; é um direito de cada estudante, de cada candidato, mas este deve estar 100% seguro de si e de seu texto e planejá-lo, ao invés de no papel, na cabeça, mentalmente.

Norma culta e seu antigo debate

Para quem sente-se melhor rascunhando, é bom reservar um tempo adequado para tanto e é aí que muitos alunos se perdem e não sabem como proceder. Como afirmamos que cada um possui um estilo de escrita individual, já que cada um é o autor de seu texto, também pode-se testar o rascunho.

Há quem tenha o hábito de escrever o texto todo (mudando, mexendo, refletindo) e, ao ficar satisfeito, passa a limpo na folha de prova; há quem faça isso, a lápis, já na folha definitiva e quando pensa estar bom, passa a caneta por cima (só não se esqueçam de reservar um tempinho para passar a borracha, pois corrigir textos que foram primeiramente escritos a lápis e depois à caneta é difícil visualmente; facilitem a vida do corretor!) e há, ainda, aqueles que, no rascunho, escrevem apenas esquemas e não o texto todo, organizando o que abordará em cada parágrafo.

Aqui, abriremos um parênteses: os organizadores do Enem não permitem que os candidatos entrem nas salas de prova com lápis, lapiseiras e borrachas, apenas com canetas transparentes e, assim, nem se o candidato quiser poderá, neste caso, escrever a lápis e depois passar a caneta por cima. Isso pode ser feito em exames e vestibulares que permitam a entrada do candidato com lápis, lapiseira e borracha; no Enem, não.

Voltando ao nosso assunto, seja como for o seu modo de rascunhar, o planejamento, aliado à reflexão, é fundamental. Rascunhos rabiscados e apagados demonstram que o aluno pensou, refletiu e repensou sobre o que escreveu; não que quem não rascunhe não faça os mesmos processos mentalmente; como já dissemos, cada um possui seu modo de comportar-se numa ocasião de prova, cada um reage de um modo e por isso, até para se conhecer, que simulados são importantes (se sua escola ou cursinho promove simulados, participe!).

O Enem requer um texto bem paragrafado, ou seja, cada parágrafo deve abordar um tópico frasal e no rascunho isso pode e deve ser pensado e planejado, refletindo e organizando acerca da continuidade do texto: de onde você parte e para aonde quer chegar. Isto deve estar claro e nítido para o leitor.

Não se pode esquecer, também, do limite de 30 linhas imposto pela banca elaboradora: vocês devem escrever dentro deste limite e de modo limpo e legível. No rascunho, abreviações e desrespeito às margens são permitidos, mas na folha definitiva a redação deve ser transcrita à caneta, de modo limpo e respeitando as margens desenhadas. Esta é a primeira impressão que o leitor terá do seu texto e demonstra cuidado e organização (atentem-se à separação silábica!) de sua parte.

Por esta semana é isso, pessoal! Até a próxima semana!

 


*CAMILA DALLA POZZA PEREIRA é graduada em Letras/Português e mestra em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente trabalha na área da Educação exercendo funções relacionadas ao ensino de Língua Portuguesa, Literatura e Redação. Foi corretora de redação em importantes universidades públicas e do Curso Online do infoEnem. Além disso, também participou de avaliações e produções de vários materiais didáticos, inclusive prestando serviço ao Ministério da Educação (MEC).

 
**Camila é colunista semanal sobre redação do nosso portal. Seus textos são publicados todas as quintas!

Compartilhar
25 Temas

Receba GRATUITAMENTE um ebook com os possíveis temas da redação do Enem 2018




Sim Não
* Um produto Descomplica




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *