Prestei o Enem 2015, E Agora, o Que Fazer?

Você prestou o Enem e está ansioso para saber o que fazer a seguir, certo? Dentre as diversas opções, elencamos os principais passos para você, que batalhou até agora, seguir.

Primeiramente, verifique seu desempenho na prova de acordo com o gabarito oficial, liberado nesta semana pelo Inep. Isso irá auxiliar a comparar seu resultado nesse ano com os anos anteriores e, o mais importante, poder analisar se sua pontuação é compatível com o curso desejado mesmo antes da abertura do Sisu. Para isso, recomendamos acessar esse artigo. Devemos lembrar que, apesar de o Enem ser aprimorado a cada ano e haver diferenças entre a demanda para determinado curso, analisar os resultados dos anos anteriores é uma estratégia válida para abalizar suas possibilidades no Sisu.

Caso você não saiba ainda exatamente do que se trata, o Sistema de Seleção Unificada – Sisu – é o sistema informatizado a partir do qual as instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para candidatos participantes do Enem. Ele ocorre duas vezes ao ano, sempre no início do semestre letivo. A inscrição é gratuita, em uma única etapa, e é feita pela internet. De acordo com o site oficial, ainda não há cronograma para a utilização da nota do Enem 2015, porém, tradicionalmente, essa etapa deverá ocorrer em janeiro de 2016. Nesse ano, para fins comparativos, o sistema abriu no dia 19 de janeiro. Dessa forma, fique ligado que avisaremos por aqui as novidades.

O Prouni também é uma opção para o aluno que prestou o Enem. Nesse caso, trata-se do programa do Ministério da Educação que concede bolsas de estudo integrais e parciais de 50% em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior.

Diferentemente do Sisu, o Prouni exige que o aluno atenda a ao menos uma das seguintes condições: ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; ter cursado o ensino médio completo em escola da rede privada, na condição de bolsista integral; ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em escola da rede privada, na condição de bolsista integral; ser pessoa com deficiência; ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica e integrando o quadro de pessoal permanente da instituição pública e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura. Mais informações podem ser acessadas aqui.

Há, ainda, a opção pelo Fies (Fundo de Financiamento Estudantil). Nesse caso, trata-se de um programa que financia cursos de graduação em instituições particulares. Para ter direito esse programa, de acordo com o último edital disponível, o aluno deve ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até dois e meio salários mínimos; ter participado de alguma das edições do Enem a partir de 2010 e obtido nota mínima de 450 pontos na média das provas e não ter zerado a nota na redação.

Por fim, ainda é possível utilizar a nota do Enem para se inscrever em exames de admissão de universidades estrangeiras, como já ocorre com algumas instituições portuguesas.

Compartilhar

Comentários

Raimundo Barros Sousa

me enviem por favor o numero do inscrição do aluno e numero de identificação do enem de 2015, Raimundo Barros Sousa

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *