Possibilidades para o Tema de Redação do Enem 2005

O assunto trazido pela proposta de redação no Enem em 2005 trata de algo bastante sério, mas que mesmo assim não é tão divulgado ou denunciado com tanta frequência na mídia. Relembremos:

O trabalho infantil na realidade brasileira“, frase temática de 2005, traz à tona um problema considerado bastante sério por uma gama de especialistas em desenvolvimento humano. O fato de haver jovens aprendizes a partir dos 14 anos que exercem atividades remuneradas, porém com carga horária compatível com responsabilidade escolar e faixa etária contrasta com os menores de idade em fase escolar que precisam deixar de estudar para complementar a renda familiar com um trabalho de carga completa, bem como os que trabalham na lavoura em atividades muito possivelmente incompatíveis com seu desenvolvimento físico e também em detrimento dos estudos. As crianças que trabalham nos semáforos também estão inclusas neste índice desfavorável, e o que as diferencia dos exemplos anteriores é que elas muito provavelmente estão inclusas em vários outros índices de vulnerabilidade. Os textos motivadores do ano em questão vêm para confirmar todas estas afirmações, tratando da exploração infantil como algo completamente indesejável, apoiando-se até mesmo na lei, com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Já que temos o ECA inserido nos textos motivadores, seria uma boa ideia retomar outros artigos do Estatuto e reforçar a comprovação pela lei que o trabalho infantil é algo nocivo. Aliás, como já recomendei anteriormente, a leitura do documento completo pode ser extremamente útil, não só como treino neste caso, como em possíveis temas futuros, como no caso da vacinação (que estava em minhas previsões de possíveis temas para esse ano), por exemplo. Outros itens que podem colaborar grandemente para complementar com informações oficiais a produção são estudos psicológicos e biológicos comprovando que para determinadas fases do desenvolvimento infantil há determinadas tarefas que podem ser realizadas (como a ajuda na organização da casa) e que ir muito além das tarefas consideradas acessíveis a cada fase pode prejudicar a atenção, a concentração nos estudos e até mesmo o desenvolvimento físico. Assim como o ECA, tais estudos são facilmente encontrados (e a leitura de vários deles está altamente recomendada) em uma pesquisa simples pela internet. Não se esqueçam de citar as fontes, sempre! Por último, citar as regras para que um adolescente possa se tornar um jovem aprendiz, que devem ser seguidas à risca, ou já se começa a prejudicar o tempo para os estudos e para a convivência social, pode ser um bom encerramento e indicativo de que há tarefas apropriadas para cada faixa etária.

Após um desenvolvimento que comprova o quanto a exploração infantil pode ser nociva ao desenvolvimento, é hora de propor soluções. A partir daqui, será necessária uma reflexão bastante profunda, já que o trabalho infantil surge de um cenário bem mais abrangente, o das desigualdades sociais em nosso país. O fato das oportunidades de trabalho e das remunerações serem bem menores para uma grande parcela da população tem papel fundamental na necessidade que algumas famílias sentem de inserirem seus filhos precocemente no mercado de trabalho, bem como a falta de condições de moradia e saúde pública, por exemplo. Há uma esperança de melhores condições aquisitivas ao haver mais membros da família gerando renda. Dito isso, propostas mais abrangentes (mas bem detalhadas, sempre!) que combatam as desigualdades e a miséria de forma mais geral podem ser uma ótima ideia. No entanto, não se pode esquecer de relacionar isso à diminuição do trabalho infantil como consequência, ok? Há também a opção de sugestões mais focadas em combater as explorações em si. Já há legislações bastante completas tratando do problema (novamente pode-se retomar o ECA), mas propor fiscalizações mais intensas de forma detalhada, incentivos fiscais às famílias e revisão das regras já existentes pode ser uma alternativa.

O que acharam do tema desta semana? Complicado ou mais tranquilo? Já trabalharam com ele anteriormente ou pretendem usá-lo para treinar? Contem tudo pra gente nos comentários e até a semana que vem!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *