Intertextualidade e Interdisciplinaridade na Redação do Enem

O Enem é um exame essencialmente interdisciplinar, isto é, suas questões – por mais que sejam divididas e organizadas em matrizes de referência de acordo com quatro áreas de conhecimento (linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias) – relacionam duas ou mais disciplinas.

Nos enunciados, os candidatos podem observar que, mesmo em perguntas da área de humanas, por exemplo, pode haver um gráfico ou um infográfico e a resposta correta depende, além do conhecimento prévio, da interpretação adequada e proficiente deste texto multimodal.

Porém, o caráter interdisciplinar do Enem não fica restrito, somente, às questões e também está presente na proposta de redação. Além, da interdisciplinaridade, há também a intertextualidade, ou seja, o estabelecimento de relações entre dois ou mais textos do mesmo autor ou de autores diferentes.

Nas propostas de redação do Enem, mais especificamente na coletânea de textos motivadores, há textos que tratam o tema das mais variadas formas, marcando aí a interdisciplinaridade. O candidato, por sua vez, deve estabelecer relações consistentes entre essa multiplicidade textual – intertextualidade – e redigir um novo texto, no caso, uma dissertação-argumentativa.

A segunda competência do Enem que, entre outras coisas, avalia se o candidato aplicou conceitos das várias áreas do conhecimento para desenvolver o tema e a terceira competência que, por sua vez, analisa se o candidato selecionou, relacionou, organizou e interpretou informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista visam, em resumo, analisar se a interdisciplinaridade e a intertextualidade foram exploradas pelo candidato; se este soube abordar o tema e desenvolver seus argumentos utilizando-se de mais de uma disciplina e de mais de uma fonte de informações.

Os temas das propostas de redação do Enem são de cunho social e podem e devem ser tratados pelo viés propriamente sociológico, mas também pelo viés político, histórico, linguístico, científico etc. Aspectos geográficos, ambientais, religiosos, dentre outros, dependendo do recorte temático imposto pela coletânea de textos motivadores, são fundamentais em uma dissertação-argumentativa do Enem.

O aspecto intertextual da proposta de redação do Enem abre a possibilidade do intercâmbio de ideias e de práticas por parte do candidato, que tem a sua frente várias possibilidades de abordagem do tema por meio da intertextualidade e da interdisciplinaridade.

É comum, de uns anos para cá, vermos nas propostas de redação do Enem textos multimodais e interdisciplinares, como por exemplos, textos de leis, campanhas publicitárias, infográficos e/ou gráficos, trechos de notícias e/ou reportagens etc. Na edição de 2013, cujo tema foi “Os efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil”, o candidato tinha à disposição estes gêneros que deveriam ser relacionados tanto para elogiar ou criticar a referida norma; outra possibilidade era a de elogiar a iniciativa da criação da Lei Seca e ao mesmo tempo criticar sua implementação e sugerir intervenções, já que o gráfica mostrava que os números de mortes em acidentes de trânsito, na cidade do Rio de Janeiro, não diminuíram significativamente e, até porque, sugerir propostas de intervenção social é a quinta competência avaliada no exame.

Obviamente, ao estabelecer relações entre os textos da coletânea, o candidato deve ser coerente e verossímil, já que trata-se de uma dissertação-argumentativa e não de uma ficção científica; o Enem não é lugar para teorias da conspiração, como temos lido sobre a Copa do Mundo no Brasil, por exemplo. A coerência deve ser a palavra-chave.

Até a próxima semana!

 


*CAMILA DALLA POZZA PEREIRA é graduada e mestranda em Letras/Português pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente trabalha na área da Educação exercendo funções relacionadas ao ensino de Língua Portuguesa, Literatura e Redação. Foi corretora de redação em em importantes universidades públicas. Além disso, também participou de avaliações e produções de vários materiais didáticos, inclusive prestando serviço ao Ministério da Educação (MEC).

**Camila também é colunista semanal sobre redação do infoEnem. Um orgulho para nosso portal e um presente para nossos milhares de leitores! Seus artigos serão publicados todas às quintas-feiras, não percam!

Compartilhar

Comentários

assima avelar

Enem é de uma importancia tão grande para o conhecimento humano . obrigado por fazer parte da minha vida.

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *