Gnocchi, lasagna e spaghetti ou nhoque, lasanha e espaguete?

“Domingo nós fumo num samba no Bixiga
Na rua Major, na casa do Nicola
À mezza notte o’clock
Saiu uma baita duma briga
Era só pizza que avuava junto com as braciola (…)”
(In https://www.vagalume.com.br/adoniran-barbosa/um-samba-no-bexiga.html )

Domingo é dia de macarronada, certo? E também de pizza (amanhecida, que sobrou do sábado à noite) e de braciola (brachola ou bife a rolê). Mas só depois da chegada dos imigrantes italianos ao Brasil. Com eles veio também uma infinidade de contribuições.

A influência cultural desse povo não afetou apenas o Brasil: na Europa sempre foi muito grande. O desenvolvimento da gastronomia, das artes nas suas diversas manifestações (pintura, escultura, teatro, música, arquitetura e moda), das tecnologias (militares, nas engenharias) e de outros setores do conhecimento foi tamanho, que o italiano ‘exportou’ muitos estrangeirismos para diversos idiomas ocidentais, inclusive o inglês, o francês, o português e o espanhol. Já na Idade Média e no Renascimento os mercadores italianos de cidades como Veneza (lembram-se de Marco Polo?) e Gênova e os artistas se encarregaram de difundir as palavras e os produtos italianos.

Muitas pessoas ignoram que um grande número das palavras do cotidiano veio da Itália, na bagagem dos imigrantes ou dos artistas, pela via popular e pela erudita. Vejamos alguns exemplos:

  • Gastronomia: nhoque, lasanha, espaguete, macarrão, muçarela, panetone, pizza, polenta e risoto;
  • Música: arpejo, batuta, cantata, contralto, maestro, partitura, piano, sonata e violoncelo (além da notação internacionalmente usada de andamentos, como adágio, alegro, andante, largo, piano, presto);
  • Arquitetura, moda, teatro e artes plásticas: aquarela, esboço, desenho, esfumar, têmpera, paleta, siena e magenta; baeta, brocado, feltro, tafetá e musselina; balcão, balaústre, baldaquim, cenário, entalhe, maquete, mezanino, praça, pérgula, pilastra;
  • Áreas militar e naval: brigada, canhão, carroça, coronel, batalhão, esquadrão, mosquete, casamata, fosso, reduto, soldado, infantaria, florete, avaria, bergantim, mezena, carena, mercante, piloto, fragata, galera, bússola;
  • Personalidades: maquiavélico (de Niccolò Macchiavelli, autor de “O Príncipe”), baderna (Marietta Baderna, uma atriz italiana que causou grande confusão quando esteve em São Paulo) e cicerone (de Cícero, político e orador romano);
  • Cidades ou regiões específicas da Itália: merengue, faiança, pistola e siena (referentes a produtos das cidades de Marengue, Faenza, Pistoia e Sienna)

Realmente não há necessidade de saber a origem da palavra para poder empregá-la nas situações de comunicação, porém é nessa origem que encontraremos algumas explicações para a ortografia. O italiano apresenta alguns dígrafos que não possuímos no português, além das ‘doppias’, letras dobradas. Assim, num primeiro momento, esses estrangeirismos eram grafados como no original, apenas entre aspas, para indicar que não pertenciam ao nosso idioma, e, com o passar do tempo e a incorporação de fato no nosso cotidiano, acabaram sendo aportuguesadas, com adaptações à nossa fonética e ortografia.

Os aportuguesamentos ficaram assim:

  • -gl- passou a -lh- (talharim)
  • -gn- passou a -nh- (nhoque)
  • -gh- passou a -gu- (espaguete)
  • -zz- passou a -ç- (praça, carroça e MUÇARELA!)

É claro que podemos não gostar, por exemplo, da aparência do nome desse tão difundido queijo. Nesse caso, retomemos a palavra original, mozzarella, mas sempre entre aspas ou em itálico, se o texto for digitado.

Usar os italianismos foi uma maneira criativa de que autores e compositores lançaram mão para construir seus textos e personagens, como fez Adoniran Barbosa (na música com que comecei o texto de hoje e em muitas outras); Alcântara Machado, em “Brás, Bixiga e Barra Funda”, por exemplo; Mário de Andrade, em “Pauliceia Desvairada” e Juó Bananére, em “La Divina Increnca”, entre outros.

Não podemos nos esquecer de que as línguas são ‘organismos’ vivos e estão sempre em mutação, conforme o uso que fazem seus falantes e esses acréscimos são modos de enriquecer os idiomas, mas nada feito com exagero é aconselhável: a norma culta prefere os termos aportuguesados aos estrangeiros, por isso atenção à escolha e à pontuação, se optar pelo termo do outro idioma.

É isso, agora vou comer a pizza de muçarela que sobrou de ontem…

Até a próxima semana!

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Com mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso Curso de Redação Online (CLIQUE AQUI para saber mais) e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoEnem, a professora é colunista de gramática do nosso portal. Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *