Estudando os Tipos de Agriculturas

Vamos falar em nosso artigo de hoje sobre um assunto importantíssimo da geografia, que é a agricultura. Para isso, vamos fazer uma explicação breve sobre o tema, ressaltando os diferentes tipos de agriculturas existentes, que são importantes inclusive para o entendimento da economia de alguns países, como o Brasil.

Uma vez que somos um país que ainda possui grande parte da economia dependente do setor agrícola, conhecer quais os principais tipos de agriculturas que existem se tornam fundamental para a área de geografia. Não por acaso, este assunto costuma estar sempre presente em questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Embora existam as mais variadas maneiras de classificação, cada uma focada em algum ponto específico, de um modo mais abrangente, podemos classificar os tipos de agriculturas em duas classes principais, que são a agricultura extensiva e a agricultura intensiva. Vamos primeiramente estudar cada uma destas de maneira separada.

Agricultura extensiva

Quando falamos em uma agricultura extensiva, estamos falando de um dos tipos de agriculturas que não apresenta um grau de modernização elevado. Desta maneira, é possível notar que a agricultura extensiva está ligada às condições de produtividade menos desenvolvidas, já que não há uma grande quantidade de capital investido.

Como não há um grande investimento de capital esta é uma das agriculturas onde não são utilizados grandes instrumentos de exploração e preparo da terra, que por muitas vezes acaba dependente da mão de obra da região. A mão de obra, por sua vez, é em sua maioria rudimentar e com baixo índice de qualificação. Além disso, normalmente não são utilizados adubos ou fertilizantes, e não são empregadas nenhuma das técnicas de correção de acidez do solo.

Deste modo, percebe-se então que a agricultura extensiva irá demandar uma maior quantidade de terras, e apresentará menor qualidade, tendo em vista que há um menor capital empregado nesse sistema agrícola. Mas ainda pode funcionar, a produção e produtividade será muito dependente da qualidade do solo. Entretanto, como o solo do Brasil é produtivo, este tipo de produção pode ser interessante para pequenos produtores, que produzem uma quantidade não elevada de produtos que normalmente são direcionados para o mercado nacional.

Caso seja desejado aumentar a produtividade e qualidade dos campos, deve-se adotar a agricultura intensiva, a qual estudaremos agora.

Agricultura intensiva

A agricultura intensiva é, entre as agriculturas, a produção com maior quantidade de investimentos e, consequentemente, a maior produtividade das produções agrícolas. É detentora de mão de obra qualificada e especializada, além de contar com o melhor maquinário e tecnologia disponíveis.

Para a agricultura intensiva há uma prática denominada rotação de culturas, a qual estudaremos adiante, além de um grande uso de fertilizantes e insumos destinados ao aumento da produtividade. Até mesmo as sementes utilizadas neste processo passam por um processo rigoroso de análise e seleção para o plantio. Este tipo de produção está majoritariamente voltado para o mercado de exportação, sendo destinado aos grandes centros consumidores.

Sendo assim, estudamos em nossa postagem de hoje algumas características relacionadas às agriculturas, que serão muito importantes para a caracterização deste setor durante a resolução das provas do Enem!

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *