Estudando a Polinização – Conteúdo de Biologia

Em um ecossistema, podemos observar que existe uma vegetação composta por uma série de espécies de plantas, desde as gramíneas até as de grande porte. Mas por que aquelas plantas nasceram ali? Quem as trouxe para aquele local? Muitas vezes, as plantas nascem em determinados pontos devido a alguns animais que fazem a chamada polinização, conteúdo de Biologia deste artigo.

A polinização é o transporte de grãos de pólen da parte masculina de uma flor, denominada antera para as angiospermas, para a parte feminina desta mesma ou mesmo de outra flor. Esta parte feminina é denominada estigma. Com o grão de pólen no estigma, começa o processo de fecundação, por meio do qual as plantas se reproduzem. Quando este grão é levado para o estigma da mesma planta da qual provém, denominamos autopolinização. Quando é levado para outra planta, temos a polinização indireta ou cruzada.

Em relação à biodiversidade, podemos considerar a polinização cruzada como mais favorável, pois ela possibilita a variabilidade genética, o que não ocorre com a autofecundação.

Como mencionamos anteriormente, este processo pode ser feito por animais, os quais transportam o pólen. Entre eles, os principais são os insetos, como abelha, borboleta, e pássaros. Entretanto, para que eles cheguem até as plantas, estas devem ter mecanismos de atração, como néctar, odores, cores vibrantes. Além disso, fatores abióticos também podem ser responsáveis pelo processo de polinização. O vento, por exemplo, pode fazer com que o pólen seja transportado, assim como a água. Estes transportadores, tanto os animais quanto os ambientais, são denominados agentes polinizadores.

Grande parte destes agentes é representada pelos insetos, principalmente as abelhas. Deste modo, podemos observar a importância destes animais para manter vivas muitas espécies de plantas e os ecossistemas aos quais pertencem. A manutenção destas espécies também leva à manutenção dos seres que se alimentam delas, preservando portanto toda uma cadeia alimentar.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *