Como Usar Corretamente Pronomes Demonstrativos – parte 2

Bem, continuando a conversa da semana passada (veja o artigo), é tempo de falarmos dos demais empregos dos pronomes demonstrativos. No artigo anterior, relembramos as pessoas do discurso (emissor, receptor e referente/assunto) e o papel dos pronomes estabelecendo relação de proximidade com essas pessoas e também estabelecendo posição no espaço temporal.

Vamos ver agora como eles atuam no espaço textual, ou seja, dentro do texto, como elementos de coesão referencial. E alguns perguntarão: “Mas o que é essa tal de coesão referencial?” Muitos dos alunos que estão treinando para os exames, fazendo suas redações com seriedade e ouvindo com atenção as orientações dos professores, devem lembrar-se de uma recomendação frequente: não se deve repetir o mesmo termo desnecessariamente. Mas, às vezes, precisamos fazer referência àquela mesma ideia novamente para dar continuidade ao raciocínio (a tal progressão textual de que os professores de redação também falam). Como fazer isso sem repetir a palavra? Simples! Empregando elementos coesivos!

Os elementos coesivos são palavras ou expressões que podem tomar o lugar das já expressas anteriormente, assumindo o significado delas. Podem ser sinônimos, hiperônimos ou hipônimos e também pronomes. Dentre os pronomes que fazem tal função, estão os demonstrativos. E como eles fazem isso? Vejamos:

 

*ESTE: antecipa a que ainda vai ser apresentado, falado, desdobrado, ampliado discutido, como nas frases abaixo:

A Fuvest indicou estas obras na lista de livros de 2016: “Til”e “Memórias de um sargento de Milícias”.

Um dos versos de Fernando Pessoa mais citado é este: “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

O pronome ESTE é um catafórico, ou seja, aponta para a frente (como uma catapulta, lembre-se da associação!)

 

*ESSE: retoma ou resume o que já foi mencionado antes, como nos exemplos:

“Última flor do Lácio, inculta e bela,(…)”. Essa é uma das descrições da Língua Portuguesa, no poema de Olavo Bilac.

O pronome ESSA é um anafórico, ou seja, retoma uma informação anterior, apontando para trás.

Existe ainda outra situação em que podemos lançar mão dos demonstrativos: quando temos dois termos ou duas ideias num mesmo trecho e precisamos retomar as duas. Agora o serviço será feito pelo ESTE e pelo AQUELE. O este retoma o termo mais próximo. O outro será retomado pelo aquele. Assim:

O portal InfoEnem têm colunas semanais e a Profª Camila e a Profª Margarida são algumas das autoras. Esta escreve sobre Gramática e aquela, sobre Redação.

(Observe que numa linha reta, a distância entre Profª Margarida e o pronome esta é mais curta, já entre Profª Camila e o pronome aquela é mais longa. Assim são usados esses pronomes nessa estrutura. Lembrando que apenas os dois demonstrativos são usados nesse caso!)

Até a próxima semana!

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu seu mestrado. Mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso sistema de correção de redação e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoenem, a professora é colunista de gramática do nosso portal . Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Compartilhar

Comentários

Como é mesmo que se usa a palavra "mesmo"? | infoEnem

[…] A proposição da questão deveu-se ao emprego bastante recorrente, porém inadequado, da palavra ‘mesmo’ como elemento de coesão referencial. A coesão referencial é o mecanismo por meio do qual retomamos uma ideia anteriormente apresentada no texto ou antecipamos o que ainda vai ser desenvolvido, sem que haja a repetição dos termos. (veja mais clicando aqui e aqui. […]

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *