Análise de Tema de Redação – ENEM 2005

 Olá, leitores do InfoEnem!

Ansiosos para o ENEM 2013?

Como a data está chegando, é bom controlar os ânimos e estudar é um bom caminho para isso, pois quanto maior o estudo, maior a confiança!

Hoje, analisaremos o tema da redação do ENEM 2005 O trabalho infantil na realidade brasileira – permanecendo fiel ao viés social e atual que, infelizmente, ainda assombra a sociedade brasileira, já que é comum vermos crianças trabalhando. Aliás, esta questão, a de ser comum, poderia ser trabalhada nesta ocasião, já que influências culturais, econômicas e sociais atuam nas causas do trabalho infantil.

A proposta de redação colocava-se do seguinte modo:

Leia com atenção os seguintes textos:

camila

 “A crueldade do trabalho infantil é um pecado social grave em nosso País. A dignidade de milhões de crianças brasileiras está sendo roubada diante do desrespeito aos direitos humanos fundamentais que não lhes são reconhecidos: por culpa do poder público, quando não atua de forma prioritária e efetiva, e por culpa da família e da sociedade, quando se omitem diante do problema ou quando simplesmente o ignoram em decorrência da postura individualista que caracteriza os regimes sociais e políticos do capitalismo contemporâneo, sem pátria e sem conteúdo ético.”

(Xisto T. de Medeiros Neto. A crueldade do trabalho infantil. Diário de Natal. 21/10/2000.)

“Submetidas aos constrangimentos da miséria e da falta de alternativas de integração social, as famílias optam por preservar a integridade moral dos filhos, incutindo-lhes valores, tais como a dignidade, a honestidade e a honra do trabalhador. Há um investimento no caráter moralizador e disciplinador do trabalho, como tentativa de evitar que os filhos se incorporem aos grupos de jovens marginais e delinquentes, ameaça que parece estar cada vez mais próxima das portas das casas.”

(Joel B. Marin. O trabalho infantil na agricultura moderna. www.proec.ufg.br.)

“Art. 4o. – É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.”

(Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990.)

Com base nas idéias presentes nos textos acima, redija uma dissertação sobre o tema: O trabalho infantil na realidade brasileira.

Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos.

 

A coletânea da proposta de redação do ENEM 2004 é composta por quatro textos motivadores: um infográfico (multidisciplinaridade com matemática, estatística e geografia, já que trata-se de um infográfico baseado em um mapa regional do Brasil), dois textos opinativos e um legislativo.

O infrográfico retirado do jornal O Globo retrata a porcentagem de crianças trabalhadoras por região do Brasil, do qual podemos atestar que a região nordeste possui a maior quantidade de crianças que trabalham (42,2% – 2,296 milhões), ficando em segundo lugar o sudeste (27,82% – 1,513 milhões), em terceiro o sul, em quarto o centro-oeste e, em último, a região norte. Ao todo, o infográfico diz que há, no país, 5,438 milhões de crianças, entre os cinco e os dezessete anos de idade, que trabalham.

O candidato, ao analisar estes dados, deve relacioná-los com as suas respectivas causas: por que, o nordeste e o sudeste, as regiões com mais crianças trabalhadoras, apresentam estes números? A resposta deve vir imbuída de conhecimentos acerca destas regiões. Sabe-se que, infelizmente, o sertão nordestino é composto por famílias grandes que pouco têm acesso ao planejamento familiar e que possuem como cultura ter muitos filhos para, justamente, auxiliar os pais na lavoura e na pecuária (quando a seca não acaba com as produções). Crianças em outros locais de trabalho, como carvoarias, também é um dado importante, além do fato de que, no sudeste, muitas vezes as crianças não trabalham fora de casa, mas sim dentro das próprias casas ou em “casas de família”, cuidando das residências e/ou de outras crianças.

Relacionar trabalho infantil com situação econômica de suas famílias é o primeiro passo para entender esta temática; para ajudar financeiramente em casa, pais e/ou responsáveis inserem seus filhos em um mercado de trabalho informal (já que trabalho infantil é proibido) e, algumas vezes, escravo e insalubre, isto é, arriscado à integridade física e psicológica da criança.

O segundo texto motivador opina acerca da crueldade deste cenário e culpa o poder público, pois este, segundo seu autor, não atua de maneira efetiva em relação a esta questão e a família e a sociedade como um todo que se omite diante deste problema. Realmente, infelizmente, poucos se assustam ao ver crianças vendendo doces em um sinal, por exemplo, apesar de saberem que, por trás disto, há a possibilidade da existência de um adulto que não só precisa do dinheiro ganho pela criança, mas também o escraviza, torturando-o caso ela não venda toda a mercadoria.

Já o terceiro texto motivador parece, a nosso ver, justificar a inserção de crianças no mercado agrícola infantil como forma de escapar do mundo do crime, ensinando-as que o trabalho é importante, já que não há outras alternativas. Neste ponto, a questão da escola é fundamental: hoje, e em 2004 também, a escola não é atrativa, não garante muitas coisas do modo como está e a evasão escolar ainda é muito grande; a própria instituição escolar exclui quando deveria incluir e ser o único caminho, aliado sim os trabalho, mas na idade adequada, para crianças e jovens almejarem um futuro melhor.

O quarto e o último texto motivador, um artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente, exemplifica o que acabamos de dizer, ao afirmar que é dever do Estado, da família e da sociedade em geral assegurar a efetivação dos direitos das crianças e dos adolescentes em relação à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura etc.

O Estado deve oferecer ensino público de qualidade, a família deve colocar seus filhos na escola, a sociedade e a comunidade devem juntar-se à escola e ajudá-la nos projetos pedagógicos, juntamente, também, com as famílias e, além disso, cobrar do Poder Público melhorias, manutenção, investimentos etc, por exemplo. E isso deve ser feito, do mesmo modo, em relação à saúde, ao lazer, ao esporte, à cultura…

Já discutimos as causas e algumas consequências; e a solução? Como solucionar este problema? O candidato poderia sugerir uma maior política, por parte dos governos, contra o trabalho infantil, ampliando escolas em tempo integral que ensinem, aos adolescentes, uma profissão através do ensino técnico; dando um maior acesso à famílias ao planejamento familiar por meio de projetos comunitários, em postos de saúde, por exemplo; dando mais oportunidade dos pais, dos adultos, trabalharem e estudarem, pois sabe-se que o nível de ensino está relacionado a esta questão também e uma maior fiscalização.

Lembrem-se: quanto mais prática, palpável e detalhada a propostas de intervenção social, melhor. Não é preciso mencionar todos os exemplos dados acima, basta desenvolver bem um, mostrar como ele pode ser aplicável.

Na próxima semana, analisaremos o tema da redação do ENEM 2006: O poder de transformação da leitura. A prova pode ser acessada em http://www.curso-objetivo.br/vestibular/resolucao_comentada/enem/2006/ENEM2006_prova.pdf.

Até lá!

 
*CAMILA DALLA POZZA PEREIRA é graduada em Letras/Português pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas/SP – Atua na área de Educação exercendo funções relativas ao ensino de Língua Portuguesa, Literatura e Redação. Foi corretora de redação na 1ª fase e de Língua Portuguesa na 2ª fase do vestibular 2013 da UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas/SP. Participou de avaliações e produções de diversos materiais didáticos, inclusive prestando serviço ao Ministério da Educação.

**Camila também é colunista semanal sobre redação do infoEnem. Um orgulho para nosso portal e um presente para nossos leitores! Suas publicações serão sempre às quintas-feiras, não percam!

Veja mais artigos da professora Camila

Compartilhar
Manual do Sisu e Prouni

Receba GRATUITAMENTE o Manual para Sisu e ProUni




Sim Não




Outros artigos que você vai gostar:




Comentários

Oderlane

Adorei, tudo!
Desde a introdução , desenvolvimento e perfeita conclusão.
Agradeço ao conteúdo , vai me ajudar bastante quando eu for analisar um próximo tema proposto.
Parabéns.

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *